Blog Nana Banana

Morgana Andretta

Juntos para sempre – Filme

Olá meus queridos, tudo bem com vocês?

Sei que a estreia da semana foi o filme “MIB – Internacional”, mas eu estava doida para assistir esse filme.

“Juntos para sempre” é a continuação do filme “Quatro vidas de um cachorro”, que alias é adaptação de livro.

No primeiro filme, o cachorro Bailey, em sua primeira vida encontra o menino Ethan. Sua missão é cuidar de Ethan, mas como sabemos, cachorros vivem menos que seres humanos.

Então Bailey, volta ainda em outras 4 vidas, até que finalmente reencontra Ethan já um adulto de meia idade, que vive sozinho. Bailey reúne Ethan e sua namorada da adolescência Hannah, uma mulher também de meia idade, viúva e com uma família pronta.

Este segundo filme, se inicia um pouco depois do fim do filme anterior. Nesta história, o filho de Hannah, morreu a pouco tempo, deixando a mulher jovem e grávida, chamada Glória. Dessa união nasceu CJ, o amor da vida de Hannah e Ethan, avós que só querem o seu melhor.

Glória, tenta acusar os avós de quererem a herança do filho morto e vai embora levando CJ. Bailey já está velhinho, e no fim de mais uma vida. Então Ethan, pede para que ele volte e cuide de CJ.

E la vamos nós para mais uma sequência de vidas, onde Bailey volta como Molly, como o grandão, e como Max (sua última vida). Todas voltadas para encontrar CJ e cuidar da menina.

Para quem assistiu o primeiro, sabe o quanto esse filme é emocionante. Nos faz lembrar dos nossos próprios bichinhos de estimação e o quanto gostaríamos que eles vivessem para sempre.

Esse com certeza, é uma filme que vale a pena a assistir. São 1 hora e 48 minutos de muito chororo. Vou deixar o trailer para vocês, que está legendado, mas sugiro assistir o filme dublado que as vozes ficam melhores (principalmente de Bailey).

Super beijo e até a próxima.


Carta ao pai – Livro

Olá meus queridos, tudo bem com vocês?

Essa semana temos mais uma obra de Franz Kafka. Falei um pouco sobre seus escritos na resenha anterior do livro “A Metamorfose”, então aproveita para conferir essa resenha também.

O livro conta com 88 páginas. O meu que é versão de bolso conta com 44 mas com uma letra pequena.

“Carta ao pai” se trata de uma obra póstuma de Kafka, se tratando de uma carta escrita ao seu próprio pai, a qual nunca foi enviada e portanto nunca chegou ao destinatário.

Nesta, Kafka expõe toda sua amargura e a vida ao qual o pai lhe tinha submetido. É nítido o quanto Franz se culpa pelo que viveu, mas também condena seu genitor por te-lo tornado quem és.

Ouso dizer, que em alguns momentos, eu particularmente, penso ter identificado algumas sugestões no texto, que se remetem ao abuso sexual desde pelo próprio pai. Contudo, a interpretação vai do leitor e de como recebe aquilo que leu.

Durante todo o texto, são usados expressões muito formais, levando em consideração a época e o local em que viviam, que podem ser difíceis de interpretação para aqueles que não tem o hábito da leitura.

Para aqueles que já leram a obra, me contem suas considerações. Para os demais fica ai uma dica de leitura.

Super beijo e até a próxima.


X-Men: Fênix negra – Filme

Olá meus queridos, tudo bem com vocês?

Bem, como vocês sabem, terça é dia de filme aqui no blog, mas como gostaria de esclarecer algumas coisas relacionadas aos X-Men, precisei assistir novamente os dois últimos filmes: “Dias de um futuro esquecido” e “Apocalipse”.

Qual o motivo? Se os dois filmes tendem a mostrar os “mesmos mutantes” mais em idades diferentes, então Fênix negra não faz nenhum sentido.

Vamos recapitular alguns fatos sobre os filmes e suas sequências:

“X-Men: o filme” (2000), “X-Men 2” (2003), “X-Men: o confronto final” (2006), “X-Men Origens: Wolverine” (2009), “Wolverine: Imortal” (2013) e “Logan” (2017), onde encontramos Patrick Stewart (Professor Xavier), Ian McKellen (Magneto), Hugh Jackman (Wolverine), Halle Berry (Tempestade) e varios outros mutantos que se tornaram familiar nesses filmes.

Jean Grey é interpreta pela atriz Famke Jansse que acaba morta no filme de 2006 onde o foco é ela e seu grande poder. Te lembra algo? tipo a Fênix Negro?

“X-Men: Primeira Classe” (2011), “X-Men: Dias de um futuro esquecido” (2014) e “X-Men: Apocalipse” (2016), apresentam os nossos queridos mutantes em suas versões Juvenis, como uma forma de apresentar como surgiram, como aconteceram os primeiros fatos, etc.

Nesses filmes as versões jovens são apresentadas por James McAvoy (Professor Xavier) e Michael Fassbender (Magneto). Jean Grey é interpretada por Sophie Turner (atriz que ganhou muito destaque em sua atuação em Game of Thones)

Fenix Negra é uma basicamente uma regravação de “X-Men: o confronto final” mas com a nossa Jean Grey novinha. Os cenários são diferentes, as roupas são diferentes, mas a ideia de Grey acabar com um poder que não consegue controlar, do qual machuca e até mata seus amigos mutantes, e estes tendo que se unir para ajuda-la é a mesma.

O que não fazia sentido nenhum levando em conta a cronologia dos filmes, então pra quem não assistiu os dois últimos filmes dos “X-Men” vai ficar sem entender. Pra isso vamos recapitular alguns fatos.

No longa de 2014, Wolverine volta no passado para impedir alguns eventos que deram origem ao programa Sentinela que criava robôs capazes de absorver os poderes dos mutantes e causar assim sua extinção fosse alterado. É claro que mudar o passado ocasiona a mudança do futuro.

Contudo, no final do longa, Wolverine acorda como se nada tivesse acontecido e Jean Grey adulta ainda esta viva e nada daquilo teria acontecido.

Até ai tudo bem, mas se pensarmos que na sequência, lançada em 2016, não acontece nada de importante com relação ao tempo, nenhuma alteração entre passado e presente, então porque regravar a morte de Jean.

A critica ao longo com certeza é essa, um filme nada a ver com a história que estava sendo contada até agora. A falta de cena pós credito, seria uma indicativa que este é o ultimo filme, mas como temos aqui um lapso temporal sem explicação. Creio que teremos um filme onde Grey de alguma forma ira retornar, para seguir e conhecer Logan como no primeiro filme da saga.

A produção foi boa? isso não tenho duvida nenhuma que foi, e vale a pena assistir, mas por hora ela não faz sentido. Como estamos falando de Fênix, quem sabe ela ainda ressurja das cinzas.

Vou deixar o trailer para vocês conferirem.

Super beijo e até a próxima.


A Metamorfose – Livro

Olá meus queridos, tudo bem com vocês?

Hoje vou falar com vocês de um livro bem curtinho e de rápida leitura. Se trata de “A Metamorfose” do escritor Franz Kafka.

Franz Kafka é um escritor alemão mais dedicado a pequenos contos como “Um artista da fome”. Suas obras discutem temas como alienação e perseguição, por isso seu foco foi em textos curtos, capazes de transmitir a mensagem.

Há duas obras de Kafka na lista de “100 livros para ler durante a vida” sendo os romances “O processo” e “O castelo”.

A obra “A metamorfose” está classificada como novela, contudo não encontrei mais referências que realmente a qualifique como tal.

O livro original conta com 104 páginas, podendo ser lido em um dia. O meu como é a versão bolso, tem apenas 54, sendo a letra bem pequena e não indicada para quem tem problemas de vista.

A Narrativa conta que um belo dia, o caixeiro viajante Gregor Samsa, ao acordar para o trabalho, percebe que foi transformado em um monstro (pela descrição, se trata de uma barata). Todos passam a trata-lo com repugnância, deixando-o trancafiado em seu quarto para não impor sua presença aos familiares e as visitas.

Gregor era o único provedor de dinheiro da casa, quando este mal lhe atinge e ele perde seu emprego, a família começa a ter que reagir para pagar as contas e se alimentar.

Até quando Gregor ficará neste estado? Esse resposta não posso dar pois seria um spoiler do obra, mas devo ressaltar que as discussões relacionadas a este texto são bastante reflexivas.

Questões como deixar sua vida em prol da vida e bem estar dos outros, de se tornar um incomodo mesmo quando não é de sua vontade, não ser ouvido mas ainda sim ouvir o quanto desejam se livrar de você, são algumas questões observadas na narrativa.

Ouso dizer que este foi o texto mais curioso que já li, mais interessante e mais penseroso também. Se esse era o intuito do escritor, então ele lhe fez com êxito.

Se tiverem oportunidade, aproveitem a leitura e me contem suas considerações.

Super beijo e até a próxima.